Mário Matins: Sertanejo que foi do Shuí ao Oiapoque de carona chega em Afogados da Ingazeira

ALEPE

quinta-feira, 31 de março de 2022

Sertanejo que foi do Shuí ao Oiapoque de carona chega em Afogados da Ingazeira

 












Handson Matheus chegou a Afogados após um ano e um mês na estrada

Por André Luis

Um ano e um mês após a sua partida para uma aventura que nem ele mesmo sabia o que iria enfrentar, o jovem Handson Matheus, 23 anos, está de volta ao lar. 

Ele chegou na tarde desta quinta-feira (31) em Afogados da Ingazeira e fez uma visita aos estúdios da Rádio Pajeú onde aproveitou para contar um pouco da sua história ao programa A Tarde é Sua.

Em fevereiro de 2021, Handson resolveu vender todas as suas coisas e saiu de Afogados para uma viagem sem data de volta, sem a menor intenção sobre qual direção seguir.

“Não havia também um destino definido, mas o objetivo de cruzar alguma das fronteiras sempre esteve em mente”, revelou.

De volta ao lar Handson contou um pouco da sua aventura. Disse que um dos momentos mais difíceis da viagem foi no Sul do país onde as pessoas foram muito ríspidas com ele. Também contou algumas humilhações que sofreu em Belém do Pará, quando teve que trabalhar por dois dias carregando um navio para pagar a carona que o levaria até Macapá, pra dali seguir até o Oiapoque. 

“Jogaram baratas em cima de mim”, revelou. Mas ele conta que estas questões não lhe afetam e que prefere focar no que é importante.

Questionado sobre como se sentia ao chegar em casa, Handson revelou que ainda não havia assimilado. “Pra se ter uma ideia cheguei no automático, fui logo procurando um posto onde eu poderia dormir, assim como fazia quando chegava nas outras cidades ao logo do percurso. Então resolvi andar e cheguei aqui na rádio”.

Questionado sobre as razões que o levaram a fazer a jornada Matheus disse não pensou nas razões.

“Eu brinco que deixei as razões para mais tarde. Nunca procurei um sentido porque nunca achei que eu realmente precisasse de um para fazer isso. No mais, eu sentia uma necessidade muito grande de me provar, de chegar aos meus limites. Gosto da ideia de olhar nos olhos do mundo, rolar os dados e ver no que dá”, disse.

Falando sobre a diferença do Handson que partiu de Afogados e o que chego, o aventureiro disse que se sentia mais maduro. “Eu recomendo esse tipo de viagem para qualquer pessoa. Vou recomendar para filho quando eu tiver um, pra minha irmã. O que se ganha de maturidade é impressionante. Duas semanas fora daqui numa viagem dessas você já sente a diferença”, contou Matheus.

A história completa será contada mais tarde em um livro que Handson escreve após ter recebido pedidos de amigos e pessoas com as quais fez amizade pela estrada. 

“Desde que saí do Uruguai com destino a Afogados da Ingazeira, escrevo uma média de 1.000 a 2.000 palavras por dia, contando os relatos que coleciono durante os meus pesados cotidianos. Serão provavelmente quase 10.672 quilômetros dormindo na rua, fazendo longas caminhadas e procurando caronas, além de ter que reservar tempo e uma tomada para escrever tudo detalhadamente”, revelou. Siga Handson no Instagram e conheça a sua jornada clicando aqui.






Nil Junior

0 comentários: