Mário Matins: Sobe para doze o número de mortos por causa das fortes chuvas desta quarta

quarta-feira, 24 de julho de 2019

Sobe para doze o número de mortos por causa das fortes chuvas desta quarta




Chuvas no Recife
Chuvas no RecifeFoto: Arthur Mota/Folha de Pernambuco











As chuvas que tomaram conta de boa parte da Região Metropolitana
do Recife (RMR), na manhã desta quarta-feira (24), causaram pelo
menos doze mortes, segundo o Corpo de Bombeiros e Defesa
Civil, além de diversos pontos de alagamento e deslizamentos.
Entre os mortos está uma senhora de 78 anos.


De acordo com o Corpo de Bombeiros, quatro mortes ocorreram
na Estrada do Passarinho, outras duas na Rua Aquarela e Rua
Arcoverde, todas no bairro de Águas Compridas, em Olinda,
e outra no bairro de Dois Unidos, no Recife, onde houve 
também uma queda de árvore. Já em Caetés II, em 
Abreu e Lima, outras quatro pessoas não resistiram à queda
de uma barreira. No Alto do Sol Nascente, em Olinda, outra
pessoa foi a óbito.Na Estrada do Passarinho, houve um
deslizamento de terra.

Vítimas Identificadas
Olinda
Iraci Maria da Conceição, 78 anos, na Rua Aquarela, no bairro
de Águas Compridas, em Olinda
Abraão Batista da Silva, 25 anos, na Rua Arcoverde, no bairro de 
Águas Compridas, em Olinda

Recife
Josafá Barbosa, 34 anos, deslizamento em Dois Unidos, Zona Norte do Recife
Natalicio Vicente da Silva, 69 anos, no bairro do Passarinho, em Olinda
Ivonete Maria da Silva, 63 anos, em Caetés, no bairro do Passarinho, em Olinda

Abreu e Lima
Mariana, 18 anos, no bairro de Caetés, em Abreu e Lima
Luiz Henrique, 15 anos, no bairro de Caetés, em Abreu e Lima
Adalmir Ferreira dos Santos, 50 anos, no bairro de Caetés, em Abreu e Lima
Maria Eduarda, 21 anos, no bairro de Caetés, em Abreu e Lima
Três vítimas de deslizamento de barreiras foram hospitalizadas no
Hospital Miguel Arraes, em Paulista. Uma pessoa chegou ao hospital
sem vida. São elas: 
Ariana Tereza Xavier da Silva, de 39 anos
José Vicente da Silva, de 76 anos
Lucas Ribeiro da Silva, de 21 anos
Mariana Xavier, de 18 anos, que deu entrada no HMA sem vida
Os moradores de Olinda e Paulista, ambas na RMR, estão passando
por bastante transtorno. De acordo com uma moradora, “a situação
está bem difícil. O pior é que a gente precisa trabalhar, mas não
está conseguindo. Sempre que chove é essa história. Os patrões
acabam achando que a gente não vai porque não quer. Mas, eles
não conseguem ver que a situação fica terrível. Alaga muito e
essa água acaba impossibilitando a saída da gente”, relatou a
comerciante Neide Melo.



FolhaPE

0 comentários: