Mário Matins: SUL COREANO TEM MÃOS REIMPLANTADAS POR MÉDICO SERTANIENSE, EM CIRURGIA INÉDITA NO NORDESTE

domingo, 25 de março de 2018

SUL COREANO TEM MÃOS REIMPLANTADAS POR MÉDICO SERTANIENSE, EM CIRURGIA INÉDITA NO NORDESTE



O Doutor Sertaniense Rui Ferreira, especialista em cirurgias nas mãos (Foto: Brenda Alcântara/Folha de Pernambuco)





O engenheiro de máquinas Park Sueyong, 34, de nacionalidade sul-coreana, teve as duas mãos arrancadas enquanto trabalhava num navio atracado na costa de São Luís do Maranhão, na manhã do último sábado (17). Sueyong chegou ao Recife à 1h do domingo (18) e teve as mãos reimplantadas após seis horas de cirurgia, no SOS mãos, hospital localizado na Ilha do Leite, região central do Recife, considerado uma referência no tratamento das mãos em todo o nordeste brasileiro.

A cirurgia de reimplante duplo, realizada pela primeira vez em Pernambuco e no Nordeste, foi feita pelo médico Rui Ferreira, o médico é natural da cidade de Sertânia no Sertão de Pernambuco, ele é especialista em cirurgia das mãos e membro titular da Federação Ibero Latinoamericana de Cirurgia Plástica e Reconstrutiva (FILACP). O procedimento consiste, primeiramente, em restabelecer a ligação óssea e em seguida veias, artérias, nervos e tendões para o completo restabelecimento do membro.

O engenheiro sul-coreano fala a língua de seu país e o inglês. Devido à barreira linguística, as enfermeiras da unidade de saúde utilizaram o Google Tradutor para conseguir se comunicar. Foi recomendado pela equipe médica que os membros fossem colocados em sacos plásticos e acondicionados com gelo, sem contato direto, para sua preservação.

Mesmo tendo chegado com um dos membros congelado, devido ao contato direto com o gelo, esta quarta-feira (21) é o quarto dia de pós-operatório e as mãos se encontram sem nenhum problema e totalmente viáveis. “É uma lesão muito grave, mas o fato de ter a mão, psicologicamente, já é um grande fator. É um paciente que deve passar cerca de dois anos em recuperação”, explicou o médico.
Conheça a um pouco da história do médico Sertaniense

Rui Ferreira da Silva nasceu em Sertânia, no sertão de Pernambuco, em 22 de abril de 1946. Teve uma infância difícil, de muito trabalho e pouco estudo. Duas vezes por mês, viajava com o pai Anísio Ferreira da Silva para vender roupas em Paulo Afonso (BA) e  trabalhava numa padaria para ajudar na renda da família. Quando fazia uma entrega na casa de D. Marina Magalhães, esta soube que Rui não estava se preparando para o exame de admissão, obrigatório para entrar no Ginásio Cardeal Arcoverde. A professora prontamente se ofereceu para ajudá-lo a se preparar para o exame. A partir daí, não parou mais. Hoje, é um cirurgião de sucesso conhecido em vários países.

Formou-se pela Faculdade de Ciências Médicas de Pernambuco em 1971 e fez o internato no serviço do prof. Mariano de Andrade, onde concluiu a residência em cirurgia geral. Em seguida, fez residência em cirurgia plástica com o prof. Cláudio Rebello. Em 1976, retornou a Caruaru, atuando como pioneiro em cirurgia plástica no interior do estado.

Em 1982, foi convidado à França a serviço do Prof. Jacques Baudet, pioneiro europeu da Microcirurgia, Naquele país, ficou até 1985 como “attaché des hôpitaux”. Lá também prestou concurso para obter o DU – Diploma Universitário de Cirurgia da Mão e de Microcirurgia. Em 1985, trabalhou por seis meses no 9th People Hospital de Xangai, participando ativamente na área de microcirurgia e cirurgia da mão. Continuou com um estágio no Japãocom o Prof. T. Unizuka, uma das lendas da cirurgia plástica, e com o Prof. K. Harii, pioneiro mundial da transferência microcirúrgica de tecidos.

Em 1986, retornou ao Recife, sendo pioneiro na microcirurgia reparadora, reimplantes, transferências de dedos do pé para a mão e cirurgia do plexo braquial. Atuando no Hospital da Restauração, pôde empregar as técnicas até então desconhecidas localmente.

Em 2005, comemorando 10.000 cirurgias realizadas no SOS MÃO Recife, fundou com o Dr. Mauri Cortez o Instituto SOS Mão Criança, com a finalidade de operar crianças carentes com deformidade nos membros superiores e inferiores. Nessa ocasião, foi realizada a primeira missão humanitária, com o patrocínio da ONG Francesa “La Chaine de L’Espoir” (A Cadeia da Esperança), contando com a participação do prof. Alain Gilbert.

Em 2006, para marcar a inauguração da sede do Instituto SOS Mão Criança, foi realizado um espetáculo com o pianista Arthur Moreira Lima. O “Concerto a 80 mãos”, em alusão às crianças que seriam operadas nessa missão, contou com a participação do médico Philippe Valenti, vice presidente da ONG Francesa “La Chaine de l’Espoir”; da equipe do Institut de la Main da Clinica Jouvenet Paris; e do Dr. Piero Raimondi, de Milão, Itália.

Essas missões tornaram-se regulares, duas a três por ano. Como a ONG Francesa “La Chaine de L’Espoir” tem atividades em outros países, o Dr. Rui Ferreira acompanha regularmente a ONG em missões humanitárias, com o intuito de passar a sua experiência.
Fonte:  institutososmaocrianca.org.br
Parabéns a esse médico, que mostra todo o potencial do povo Sertaniense

0 comentários: