Mário Matins: Morre bebê baleado no útero da mãe no Rio de Janeiro

domingo, 30 de julho de 2017

Morre bebê baleado no útero da mãe no Rio de Janeiro

Claudineia dos Santos Melo, grávida de Arthur
Claudineia dos Santos Melo, grávida de ArthurFoto: Reprodução/Facebook
O recém-nascido Arthur, baleado na barriga da mãe, Claudineia dos Santos Melo, no dia 30 de junho, faleceu na tarde deste domingo (30). Arthur foi vítima de bala perdida em Duque de Caxias, Baixada Fluminense, e estava em estado muito grave, de acordo com a Secretaria Municipal de Saúde de Duque de Caxias.


Claudineia dos Santos, de 29 anos, estava grávida de 39 semanas quando foi atingida. Ela chegou lúcida ao hospital e, segundo a Secretaria Municipal de Saúde, contou que foi atingida pelo disparo ao ir ao mercado e ser surpreendida por um tiroteio na localidade conhecida como Vila Leal, no centro do município. Ela estava indo ao mercado no momento do ocorrido e teve de ser submetida a um parto de emergência. Até o momento, as investigações não apontaram os responsáveis pelo disparo.
O menino Arthur completaria neste domingo um mês de nascido, período em que ficou internado no CTI do hospital municipal Adão Pereira Nunes, no mesmo município. A bala atravessou seu tórax, perfurou os dois pulmões e atingiu também sua coluna. Havia a possibilidade de o menino, caso resistisse, ficasse paraplégico. A criança passou um mês entubada no hospital.

Arthur
O menino morreu às 14h deste domingo. Por volta das 5h30 da manhã, teve uma hemorragia digestiva e não resistiu aos ferimentos. "Todos os procedimentos para reverter o quadro foram adotados, porém não houve resposta clinica do paciente", informa nota da secretaria de Saúde do Estado, que confirma a morte. Ainda não há informações sobre quando a criança será enterrada. A reportagem ainda não conseguiu contato com familiares de Arthur.
Arthur morre no mesmo dia em que o presidente Michel Temer fez uma visita ao Rio para sobrevoar áreas que estão sob patrulhamento de tropas federais, enviadas ao Estado para tentar conter a onda de violência no Estado.

0 comentários: