Mário Matins: MP recomenda saída de mais de 5 mil contratados da Prefeitura de Caruaru

quarta-feira, 11 de janeiro de 2017

MP recomenda saída de mais de 5 mil contratados da Prefeitura de Caruaru

Do G1 Caruaru

José Queiroz, prefeito de Caruaru, Pernambuco (Foto: Reprodução/ TV Asa Branca)Contratações aconteceram na gestão José Queiroz
(Foto: Reprodução/ TV Asa Branca)









O Ministério Público de Pernambuco recomendou à Prefeitura de Caruaru, no Agreste do estado, a rescisão de 5.251 pessoas que têm contrato temporário. As contratações foram realizadas em 2015. O MPPE disse ainda que a nova gestão não poderá realizar novos contratos temporários para "ocupações de natureza efetiva". A prefeita Raquel Lyra tem dez dias para informar ao órgão se acata a recomendação, conforme a assessoria.
A assessoria da prefeitura informou que ainda não foi notificada. "Desde o dia 5 de janeiro, foi determinada, através de decreto, a criação de um Grupo de Trabalho composto por representantes das Secretarias Municipais de Administração, Fazenda, Governo, Planejamento, Controladoria e da Procuradoria Geral do Município para levantar os contratos temporários vigentes, avaliar, rever e propor, no prazo de 90 dias, critérios e regulamentação para os referidos contratos temporários no serviço público municipal", informou a assessoria.
Segundo o promotor de Justiça do Patrimônio Público Marcus Tieppo, tramitam duas ações de responsabilidade por Ato de Improbidade Administrativa relacionadas às contratações temporárias e à cessão de contratados temporários para atuarem de forma diferente da que foi ensejada na contratação. As ações tramitam na 1ª Vara da Fazenda Pública.

o Procurador do Município
Tieppo disse por meio da assessoria que "a excessiva realização de contratos temporários viola a regra de ingresso no serviço público por meio de concurso, desrespeitando a Constituição Federal e configurando ato de improbidade administrativa". A assessoria informou que a nova gestão deverá fazer um levantamento sobre a demanda de funcionários e "cuja necessidade seja declarada e não possa ser suprida por servidor efetivo".

O MPPE recomenda que, caso seja preciso realizar contratação de temporários, a administração municipal deve fazer um processo simplificado de seleção de pessoal. Para o órgão, deve ser deixada de lado a contratação de temporários "com as mesmas pessoas discricionariamente escolhidas".
O promotor disse que há uma liminar que recomenda a não contratação da prefeitura de novo servidor para o cargo de Procurador do Município. Caso a liminar não seja acatada, a administração poderá ser multada em R$ 1 mil por dia. O MPPE informou que a contratação das seis vagas do cargo deve ser feita por meio de concurso público. Segundo o órgão, as vagas não foram ofertadas no concurso de 2012.

0 comentários: